Esportes Radicais

Skate

O skate surgiu nas ladeiras da Califórnia, com surfistas que procuravam um meio para se divertir nos dias sem onda. Pregaram um patins num pedaço de madeira(shapes) e assim surgia um novo esporte.

Os skates eram muito primitivos, nao possuiam nose nem tail, era apenas uma tábua e quatro rodinhas. Em 1965 foram fabricados os primeiros skates, juntamente com a organização dos primeiros campeonatos.

Photo Credit: © 2005 Bo Bridges
Bob Burnquist at the San Jose stop of the 2005 Dew Tour.

As modalidades da época eram downhill, barrel jumping, high jumping, slalom e freestyle. O esporte teve seu grande impulso com a invenção da roda de uretano, em 1971 pelo engenheiro químico norte americano Frank Nashworthy. Com maior aderência e mais silenciosas as novas rodas foram o empurrão que faltava para o skate decolar de vez. Surgiram os skateparks, áreas especificamente construídas para a prática do skate.

Com as pistas surgiu um circuito de campeonatos, que eram de duas modalidades: Bowl Riding e Freestyle. Com o passar dos tempos as pistas foram fechando, muitas delas devido a desenhos ruins e outras que não conseguiram resistir a especulação imobiliária. O skate ficaria undergroung por um bom tempo.

Nesta parada seriam desenvolvidas as duas modalidades que imperam até hoje: street e vertical. O street surgiu justamente devido à carência de locais para se praticar, foi quando os skatistas se voltaram para as ruas e começaram a aplicar as técnicas aprendidas nas pistas para criar novas manobras em guias, bancos e outros obstáculos urbanos. Ao mesmo tempo, com o racionamento de água nos EUA, muitas pessoas tiveram que esvaziar suas piscinas. Foi aí que os skatistas perceberam que essas piscinas vazias poderiam ser ótimas pistas. Surgia assim o "skate vertical".

Nos anos 80 o skate volta ao seu auge, com a inovação dos skates, e a utilizacao das pistas em "U" - os half pipes. Aparecem grandes nomes que contribuiram para o progresso da modalidade: Steve Caballero, Tony Alva, Tom Sims, entre outros.


Half pipe

Um dos revolucionários do esporte, principalmente na modalidade freestyle foi Rodney Mullen. Mullen desenvolveu várias manobras como flip, heelflip, hardflip, kickflip, casper, darkslide, rockslide, 50-50, body varial, nollieflip underflip, primo, reemo, varialflip, inward heelflip, 360 flip, fs flip, bs flip, varial heelflip, fs heelflip, bs heelflip, etc. Grande parte das manobras existentes atualmente são derivadas destas manobras. Rodney Mullen foi diversas vezes campeão mundial, chegando a ser considerado o melhor skatista do mundo na sua modalidade.

Com o desenvolvimento dessas duas modalidades, street e vert, os campeonatos passaram a ser realizados dentro de grandes estádios, com arenas especialmente construidas para estes mega eventos.

No Brasil, o primeiro campeonato de skate aconteceu no Clube Federal (RJ) no final de 74. Em outubro de 1975, foi realizado na Quinta da Boa Vista (RJ) o primeiro grande campeonato. Em dezembro do mesmo ano foi inaugurada, em Nova Iguaçu, a primeira pista de skate da América Latina. Outras tantas foram construídas. O Brasil passou a ser conhecido internacionalmente como o paraíso das pistas de concreto, e hoje é apontado como a segunda grande potência mundial do esporte com profissionas de ponta.


What can we say? Brazilians are good with their feet. This country consistently produces some of the best skateboarders (and soccer players) in the world. And no, there isn't some weird fetish thing going on here.

Atualmente o skate competitivo se divide basicamente em street e vertical com a grande maioria dos campeonatos sendo disputados nessas duas modalidades, mas ainda existem outras amplamente praticadas como Downhil Slide, Speed, Mini Rampa e Pool Riding.

O Circuito Brasileiro de Skate Profissional inaugurado em 1984 conta com provas nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Paraná, Rio Grande do Sul, Minas Gerais e Brasilia, realizadas pela CBSK (Confederação Brasileira de Skate).

O Circuito Mundial é organizado pela WCS (World Cup of Skateboarding) que conta com um calendário com provas passando por países como Canadá, Inglaterra, Alemanha, Suíça, Estados Unidos e Brasil.

Nos anos 90, o esporte se consolidou e surgiu o maior skatista de todos os tempos, o norte-americano Tony Hawk. O atleta revolucionou o skate com seus aéreos e flips e trouxe definitivamente novos ares ao skate moderno. Suas manobras são até hoje espelho para os principais skatistas e seu nome já é tema de jogo de vídeo-game.


Tony Hawk

Como segunda potência mundial do skate, o Brasil conta com grandes nomes como Lincoln Ueda(SP), Cristiano Mateus (SP), Rodil de Araujo (PR), Carlos de Andrade (PR) e Rodrigo Teixeira (SP), para citar alguns. Sandro "Mineirinho" Dias e Bob Burnquist já colocaram seus nomes na história das pistas. O tetracampeão mundial Mineirinho é considerado o rei do 540, e foi o terceiro skatista do mundo a acertar a manobra 900º.


Sandro "Mineirinho" Dias e Bob Burnquist no X Games Brasil 2008

Bob Burnquist nasceu no Brasil, mas mudou-se aos 13 anos para os Estados Unidos buscando se profissionalizar no skate. O auge de sua carreira foi em 2000, quando conquistou o Münster Monster Mastership e o Circuito Mundial de Skate.

Com de 10 milhões de participantes no mundo (6.2 milhões só no E.U.A.), o skate entra em sua quarta onda de popularidade. É considerado esporte radical, dado seu aspecto criativo, cuja proficiência é verificada pelo grau de dificuldade dos movimentos executados.

O equipamento:

Shape ou Deck
Trucks ou Eixos
Rodas
Rolamentos
Parafusos
Lixa ou Griptape

X Games Brasil 2008

Sandro Dias avisou que não sairia do sambódromo do Anhembi (SP) sem executar o famoso 900º, manobra em que ele dá dois giros e meio no ar.


Sandro Dias owned the Vert ramp here in São Paulo. No, literally—the ramp we used actually belongs to him. As you can see, he clearly has the homefield advantage when it comes to working the transition.

O paulista apelidado de Mineirinho até conseguiu atingir seu objetivo, mas depois que o cronômetro da final já estava zerado. Terminou a decisão em quarto lugar e viu a medalha de ouro ficar com outro ídolo brasileiro do skate vertical, Bob Burnquist, que garantiu sua 15ª medalha em edições de X Games.

Durante a prova, Mineirinho, que chegou à final após liderar sua bateria nas semifinais, parecia zangado, sem dar um sorriso sequer para o público. Mais tarde, ele explicou que a aparente "braveza" não era nada mais do que concentração.

"Eu estava concentrado demais. Imagina, o dia estava maravilhoso, eu andei super bem nos treinamentos, 'felizão', e estava totalmente focado em conseguir o 900º", explicou o skatista de Sandro André. A manobra saiu menos de 10 segundos após o término da sessão (que durou 10 minutos e teve formato jam session). Na opinião de Sandro Dias, se a manobra tivesse ocorrido ainda durante a decisão ele teria obtido uma colocação melhor.

Mineirinho recebeu elogios até do campeão da prova, Bob Burnquist. "O fato de ele não ter ficado no pódio não significa que ele perdeu", defendeu o carioca radicado nos Estados Unidos. "O skate é assim, eu não espero que ele ganhe todos os eventos, e também não espero isso de mim. Mas ele está de parabéns pelo 900º. Não sei como ele consegue encontrar fôlego para fazer uma manobra dessa após toda uma competição".

Depois de ter criticado o formato das eliminatórias de sexta-feira e de reclamar por a rampa ser a mesma usada no início do ano durante o Rio Vert Jam (primeira etapa do Circuito Mundial), Burnquist não escondeu a satisfação de faturar mais um ouro para sua coleção. "Um título no Brasil é sempre bem-vindo. É ótimo poder trazer um evento como esse pra cá e ver um público tão acentuado. A energia do fã brasileiro não se vê em lugar nenhum do mundo".


Burnquist faz manobra com skate, em São Paulo, no último dia de X Games

A segunda colocação ficou com outro campeão mundial de skate vertical: o paulista Digo Menezes, que havia liderado as eliminatórias. Assumidamente influenciado por Lincoln Ueda, Digo viu seu maior ídolo ficar em terceiro lugar.

A maior surpresa do dia foi a quinta colocação do norte-americano Adam Taylor, de apenas 18 anos. O gringo ficou em segundo lugar na bateria semifinal (atrás apenas de Burnquist) e foi o melhor da repescagem, garantindo lugar na decisão e deixando outro estrangeiro, o veterano Neil Hendrix, de fora da final.

Brasileiros dominam final do skate street

A decisão do BMX street do X Games Brasil contou com apenas um brasileiro - Leandro Moreira - e teve um pódio totalmente gringo. Ao contrário da final do skate street que teve panorama totalmente inverso: nove atletas locais e apenas um estrangeiro, com os brasileiros garantindo as três medalhas.


Lucas Carvalho, o Xaparral, garantiu o ouro no skate street na última bateria da final

Lucas Carvalho, o Xaparral, garantiu o ouro no skate street na última bateria da final. Rodolfo Ramos, o Gugu, liderou a eliminatória e esteve à frente no placar por quase todo o período de disputa, mas foi ultrapassado na última bateria pelo Xaparral, que ficou com a medalha de ouro.

Xaparral, de apenas 20 anos, profissionalizou-se no ano passado, quando despontou no circuito como promessa do skate street. O título conquistado neste sábado foi o mais importante de sua ainda curta carreira.

E não foi apenas a medalha de ouro que ficou com um jovem skater. Gugu, segundo colocado, e Paulo Correa, o Paulo Galera, em terceiro lugar, também são atletas novos, com 23 e 20 anos, respectivamente.


Após liderar boa parte da final do skate street, Rodolfo Ramos, o Gugu, ficou em 2º

Gugu, porém, já é antigo conhecido do circuito mundial, tendo despontado em 1999 como amador e conquistado, em 2002, o ouro do Latin X Games, no Rio de Janeiro.

BMX vertical

Durante a entrevista coletiva de apresentação do X Games Brasil, o britânico Simon Tabron avisou que tentaria fazer o melhor possível para agradar o público brasileiro. Pois bem, em sua primeira performance no país, o biker de Liverpool conseguiu concretizar a famosa manobra 900º (cinco voltas horizontais completas no ar), conseguida por poucos atletas, e garantiu, em sua última descida, a primeira colocação na eliminatória do BMX vertical.


Simon Tabron conseguiu executar o 900º e liderou a eliminatória

Cada biker teve duas voltas de 45 segundos para apresentar suas melhores manobras. Na primeira tentativa, Tabron até conseguiu dar os cinco giros completos, mas caiu da bicicleta ao pousar na rampa. Na segunda vez, porém, a manobra foi perfeita, e a apresentação do britânico lhe valeu a melhor nota do dia: 93,33 pontos.

Tabron foi o último a descer o vert montado no sambódromo do Anhembi e, até que ele se apresentasse, a liderança pertencia ao norte-americano Zack Warden. O biker de apenas 19 anos desbancou os veteranos da prova e completou sua participação no segundo lugar com 92,33 pontos.


Ao todo, dez atletas avançaram para a decisão do BMX vertical

No dia seguinte o biker de Liverpool não só caiu nas graças do público ao realizar duas vezes a difícil manobra 900º (dois giros e meio da bicicleta em torno do próprio corpo), como se jogou na pequena multidão formada em frente à rampa. Tanta animação veio acompanhada de uma medalha de ouro no BMX vertical.

"Eu ia fazer o 900 uma vez só, mas o público pediu, fiquei tão animado que fiz outro, de um jeito diferente", comentou o biker. "Os outros competidores eram muito bons, e a empolgação do público me motivou a fazer manobras que eu não costumo fazer".

Tabron vive grande fase na sua carreira, tendo conquistado, nos últimos meses, o ouro em três edições internacionais do X Games: Dubai, Cidade do México e São Paulo. "Hoje eu não penso tanto em medalha, quero estar junto do público e fazer o melhor possível", afirmou o inglês.


Público acompanha, de perto, a performance dos bikers na rampa


Tabron agradece ao apoio do público brasileiro no Anhembi

Moto X

A competição mais esperada no X Games Brasil não trouxe grandes surpresas, mas empolgou as cerca de 20 mil pessoas presentes ao sambódromo do Anhembi (que se espremeram nas arquibancadas para acompanhar cada manobra). Categoria que não costuma aparecer nas olimpíadas radicais, o Moto X Best Trick fez parte do programa da edição brasileira e caiu nas graças do público do país.

A liderança da prova passou pelas mãos de vários pilotos, mas acabou justamente nas luvas do último a "voar" na pista, o norte-americano Todd Potter. Ídolo dos praticantes brasileiros da modalidade, ele não decepcionou e, com sua segunda manobra, conseguiu 94,66 pontos, a maior nota do dia.


O norte-americano Todd Potter temrinou como líder

O norte-americano Greg Hartman, que detinha a liderança até a segunda subida de Potter, ficou com o segundo lugar ao registrar 93 pontos. A maior surpresa da prova foi a terceira colocação do francês Brice Izzo (92 pontos).


Modalidade que não costuma aparecer no X Games, o Moto X está na edição brasileira

Outro queridinho dos brasileiros, o norte-americano Ronnie Faisst, fez uma segunda manobra bem abaixo do esperado e terminou na quarta posição. Já o rebelde Kyle Loza não concretizou a tão aguardada "morte elétrica" (manobra em que ele dá uma cambalhota no ar sobre a moto) e ficou em sétimo lugar.

O brasileiro mais bem colocado foi Gilmar Flores, o Joaninha, que ficou na sexta posição. Cyro de Oliveira, que colaborou na elaboração da pista montada no sambódromo, ficou em nono lugar, seguido por Fred Kyrillos e Jonatan Azevedo.

Moto X Step Up

Na última prova do X Games Brasil 2008 o público assistiu uma modalidade inédita até então no país, o Moto X Step Up, em que vence o piloto que ultrapassar o sarrafo mais alto (semelhante ao salto em altura do atletismo).


Area Motox

Como já havia ocorrido no dia anterior durante o Moto X Best Trick, os espectadores se espremeram nas arquibancadas para acompanhar a disputa que encerrou a edição brasileira das olimpíadas radicais.

Com dois ouros nos X Games de 2003 e 2006, Matt Buyten chegou a São Paulo credenciado também pelo título do Moto X Games no início deste ano. Tanto favoritismo se confirmou na pista, e o norte-americano, que foi o único a passar dos 22 metros de altura, subiu no lugar mais alto do pódio.


Moto X

Todd Potter, campeão do Best Trick, bem que tentou (cinco vezes) ultrapassar a barreira dos 22 metros, mas sua melhor marca foi 21,5 m e ele ficou com a prata. Kyle Loza, que saltou 21 metros, foi o terceiro colocado.


Matt Buyten is the reigning Step-Up king these days. After taking Gold at the Moto X World Championships in San Diego, the Carson City Kid out-jumped everybody again here in Brazil—up, up and away!

Fila para tudo no X Games

O sol forte é o grande inimigo do público presente ao sambódromo do Anhembi para acompanhar o X Games Brasil. Mas a galera está enfrentando outro grande obstáculo neste sábado: as filas.


Público começa a tomar o sambódromo do Anhembi para acompanhar o X Games

A rede conveniada de lojas de alimentação tem filas enormes nos postos de venda de fichas. Mas, de longe, quem lidera o ranking de metragem são os pontos de distribuição gratuita de sorvete. Para conseguir uma casquinha da famosa marca que está patrocinando o evento, as pessoas precisam de uma boa dose de paciência.

BMX Street

Aaron Ross

Brad Simms

Van Homan

Brian Kachinsky

Corey Martinez

Skate Street

Rodolfo Ramos

Allan Mesquita

Tulio Oliveira

Alex Mizurov

Dayne Brummet

Tomas Vintr

Jason Barr

Skate Vertical

Sandro Dias

Bob Burnquist

Neal Hendrix

Anthony Furlong

Renton Millar

Jussi Korhonen

Moto X Best Trick

Ronnie Faisst

Ronnie Renner

Todd Potter

Kyle Loza

Greg Hartman

Matt Buyten

Brice Izzo

Derek Garland

Moto X Step Up

Ronnie Renner

Matt Buyten

Todd Potter

Fontes: Cesinha Chaves; O Radical ; Uol ( Paulo Almeida )

Home
Links




Esportes / Matérias: Esportes Radicais / Skate | Eurocopa | F1 - Operação de Guerra | Federer | Grandes Esquadrões | Lewis Hamilton | M. Schumacher | Marilson dos Santos | Origem do Tenis | Rei Pelé | São Silvestre | Schalke 04 | Turfe | Volta da França | F1 - Raikkonen Campeão | Hamilton Campeão | Vancouver 2010 | Copa do Mundo 2010