Dia 6 - Quarta, 25 de Maio de 2022

MARMARIS-DALYAN-ANTALYA Sairemos para DALYAN, um lugar incrível junto ao belo rio navegável. Faremos um passeio de barco de umas duas horas para avistar os TÚMULOS REAIS LÍCIOS, também de barco seguiremos por um grande lago onde pararemos nas fontes de águas termais, se você desejar poderá banhar-se em suas águas quentes ou tomar um banho de barro!

Disporemos de tempo para comer em algum dos vários restaurantes de Dalyan junto ao rio. Continuaremos rumo a ANTALYA, faremos uma breve visita a esta grande cidade costeira de mais de um milhão de habitantes, à Porta de Adriano, ao bairro otomano e à sua grande cascata que cai diretamente no mar. Jantar incluído.



 
 

Lícia (em grego: Λυκία; em turco: Likya) era uma região da antiga Ásia Menor (Anatólia) onde hoje estão localizadas as províncias de Antália e Muğla, na costa sul da moderna Turquia, e de Burdur no interior.

O nome apareceu pela primeira vez nos registros do Egito Antigo e do Império Hitita, ainda na Idade do Bronze Tardia. A região era habitada por falantes de línguas do grupo luvita e inscrições em pedra na língua lícia (uma forma posterior do luvita) começaram a aparecer depois que a Lícia foi conquistada pelo Império Aquemênida na Idade do Ferro. Na época (546 a.C.), os falantes do luvita foram dizimados e a Lícia recebeu um grande influxo de falantes do persa.

A Lícia lutou pelos persas nas guerras contra os gregos, mas, depois que eles foram derrotados, o estado lício conseguiu se tornar independente de forma intermitente. Depois de um breve período como membro do Império Ateniense, a Lícia se separou e tornou-se um reino independente, voltou a ficar sob controle persa, revoltou-se novamente, foi conquistada pelo sátrapa Mausolo da Cária, voltou para o controle dos persas e finalmente passou para o domínio da Macedônia quando Alexandre, o Grande, derrotou os persas.

Por conta do influxo de falantes do grego e da escassez de falantes do lício, a Lícia foi totalmente helenizada neste período e a língua lícia desapareceu das moedas e das inscrições.



Dalyan alcançou fama internacional em 1987, quando empreendedores pretendiam construir um resort de luxo na vizinha Praia de İztuzu, um local de reprodução para as espécies ameaçadas de tartaruga marinha cabeçuda (que existe há cerca de 45 milhões de anos). O incidente criou uma grande tempestade internacional quando David Bellamy defendeu a causa dos conservacionistas como June Haimoff , Peter Günther, Nergis Yazgan, Lily Venizelos e Keith Corbett. O “projeto de desenvolvimento” foi temporariamente interrompido depois que o príncipe Philip pediu uma moratória e, finalmente em 1988, a praia e seu interior foram declarados área protegida, viz.

Área Especial de Proteção Ambiental de Köyceğiz-Dalyan .

A vida em Dalyan gira em torno do rio Dalyan Çayı, que passa pela cidade. Os barcos que sobem e descem o rio, navegando no labirinto de juncos, são o meio de transporte preferido para os sítios locais, as tumbas reais lícias. Maisa Kawat, editora de livros.


“Probablemente Licia es una de las regiones más fascinantes y evocadoras del planeta. Situada en la costa mediterránea del sur de Turquía, sus paisajes sembrados de ruinas y tumbas han cautivado a los viajeros de todos los tiempos. Su moderno descubrimiento se debe al arqueólogo británico Charles Fellows que exploró estas tierras entre 1838 y 1844 extrayendo de las antiguas ciudades multitud de monumentos que pueden verse en la actualidad en el Museo Británico.”

“Homero en su Ilíada menciona al pueblo de los Solimoi, cuya patria legendaria estaba en el monte Solima, el actual Bey Dagi, donde se han realizado excavaciones arqueológicas que han demostrado la existencia de asentamientos humanos de la Edad del Bronce. Los licios propiamente dichos, tienen su origen en un pueblo de la segunda mitad del segundo milenio a. C. llamado lukka, procedente del suroeste de Anatolia y mencionado por las crónicas egipcias e hititas.” Juan Adrad, “Centro Imaginalia”


Antalya foi estabelecida desde tempos pré-históricos. Evidência de habitação humana que remonta ao Paleolítico precoce (150.000-200.000) anos foi descoberta nas cavernas Karain, 30 km (19 milhas) ao norte da cidade de Antalya.

Atual “capital” da costa turca do Mediterrâneo, é uma grande cidade moderna (1 milhão de hab.), com pequeno e charmoso centro histórico, importante museu de arqueologia, longas praias ensolaradas para leste e oeste e o aeroporto mais movimentado da “Costa Turquesa”.

O centro histórico, na zona denominada Kaleiçi, conserva um certo ambiente de outros tempos com as suas ruas empedradas estreitas, as casas tradicionais gregas e turcas, os seus hotéis, bares, discotecas, restaurantes e lojas. A restauração do local recebeu o prémio Golden Apple Tourism. Os grandes hotéis modernos situam-se junto à costa nas praias de Konyaaltı e Lara.

A arquitetura da cidade antiga conserva vestígios das culturas que passaram pela região — lícia, panfília e helénica e, principalmente, romana, bizantina, seljúcida e otomana.

 

Início


    Dia 1  ISTAMBUL
___________________________


    Dia 2  ISTAMBUL

___________________________

    Dia 3  ISTAMBUL

___________________________

    Dia 4  ISTAMBUL-ÉFESO-KUSADASI

___________________________

    Dia 5  KUSADASI-BODRUM-MARMARIS

___________________________

    Dia 6  MARMARIS-DALYAN-ANTALYA

___________________________

    Dia 7  ANTALYA-ASPENDOS-SIDE-KARAMAN-NIGDE

___________________________

    Dia 8  NIGDE-CAPADÓCIA

___________________________

    Dia 9  CAPADÓCIA-IHLARA-KONYA

___________________________

    Dia 10  KONYA-EGIRDIR-PAMUKKALE

___________________________

    Dia 11  PAMUKKALE-ÉFESO-KUSADASI

___________________________

    Dia 12  KUSADASI-IZMIR-BURSA-ISTAMBUL

___________________________