Florianópolis - SC - Brazil

A cidade de Florianópolis foi o destino que mais cresceu na preferência dos turistas brasileiros segundo pesquisa do site Hoteis.com.(Infomoney 17/12/10), e segundo a prefeitura do município espera-se no verão de 2010, por volta de 1 milhão de turistas. Mas o crescimento desordenado e a poluição estão prejudicando a ilha, capital do Estado de Santa Catarina, a paradisíaca capital turística do Mercosul, considerada umas das cidades com melhor qualidade de vida do Brasil.

Na década de 70 começou a sistemática substituição das casas pelos prédios residenciais, comerciais e de serviços, o que revolucinou a paisagem e a partir dos anos 80 quando as suas belezas começaram a ser descobertas pelo restante do país – a expansão urbana se desvinculou do centro chegando às praias, expansão essa que desde o início foi se dando de forma desordenada.

Além do impacto ambiental, essa explosão alterou profundamente o modo de vida das pessoas que aqui moravam. As antigas chácaras foram virando edifícios, os ranchos de pesca, substituídos por hotéis e casas de pessoas de alto poder aquisitivo. Em um estudo recente foi identificado alguns dos principais problemas da atual Florianópolis. Trânsito caótico, problemas de habitação, lixo, água e esgoto; impactos culturais e ambientais, onde se percebe a identidade da ilha mudando violentamente, da mesma forma que suas belas paisagens.

 

Abaixo imagens antigas de Florianópolis:


Louis Choris famoso artista plástico francês pintou a Ilha de Santa Catarina em 1815


Clique na imagem para amplia-la

 


Louis Choris famoso artista plástico francês pintou a Ilha de Santa Catarina em 1815

Clique na imagem para amplia-la

 


Louis Choris famoso artista plástico francês pintou a Ilha de Santa Catarina em 1815


Clique na imagem para amplia-la

 


Louis Choris famoso artista plástico francês pintou a Ilha de Santa Catarina em 1815


Clique na imagem para amplia-la

 


Centro - Rua da cidade anos 50

Clique na imagem para amplia-la

 


Serviço no rio Ratones

Clique na imagem para amplia-la

 


Sambaqui Década de 50

Clique na imagem para amplia-la

 


Praia de Canasvieiras - 1944

Clique na imagem para amplia-la

 


Rua Felipe Schmidt, 38, l Faculdade de Direito Década de 30

Clique na imagem para amplia-la

 


Rua Visconde de Ouro Preto, junto aos trilhos do bonde, Quartel da Força Pública, déc. de 20

Clique na imagem para amplia-la

 


Fazenda zootécnica Assis Brasil, atual UFSC, bairro Trindade - década de 30

Clique na imagem para amplia-la

 


Canto da Lagoa - 1962

Clique na imagem para amplia-la

 


Sul da Ilha - Ribeirão - Anos 30

Clique na imagem para amplia-la

 


Quartel da Policia Militar na ilha - vista da igreja Luterana

Clique na imagem para amplia-la

 


Coqueiros - A bucólica praia de itaguacu nos anos 50

Clique na imagem para amplia-la

 


Coqueiros - Praia do Bom Abrigo - Década de 50

Clique na imagem para amplia-la

 


Fazenda zootécnica Assis Brasil, atual UFSC, bairro Trindade - década de 30

Clique na imagem para amplia-la

 


UFSC - Biblioteca Universitario e a Trindade - Anos 70

Clique na imagem para amplia-la

 


Catedral Metropolitana - depois de 32 (predio La Porta)

Clique na imagem para amplia-la

 


Ilha/Rita Maria - Praia e trapiche - anos 50

Clique na imagem para amplia-la

 


Ilha/Praia do Rizzo e o Saco do Padre Ignacio - Abril de 1970

Clique na imagem para amplia-la

 


Travessia para a Barra da Lagoa - Maio de 1969

Clique na imagem para amplia-la

 


Vista do Desterro 1847, Victor Meirelles


Clique na imagem para amplia-la

 


Praia do Bom abrigo - Cartao postal - Década de 60

Clique na imagem para amplia-la

 


Praia da Saudade - Cartão postal do inicio da década de 60

Clique na imagem para amplia-la

 


Uma das primeiras imagens documentadas da Ilha de Santa Catarina,
feita por um artista francês em 1785

Clique na imagem para amplia-la

 


Mercado Público - Venda de peixe entre 1898 e 1935

Clique na imagem para amplia-la

 


Centro - Praca XV - 01-01-1907

Clique na imagem para amplia-la

 


Mercado Público - canoas trazendo gêneros - entre 1898 e 1935

Clique na imagem para amplia-la

 


Mercado Público - Chegada de gêneros - entre 1898 e 1935
Clique na imagem para amplia-la

 


Mercado Público / Conselheiro Mafra - entre 1898 e 1935

Clique na imagem para amplia-la

 


Mercado Público - Completo e o mar junto a ele - depois de 1935 e antes de 1970

Clique na imagem para amplia-la

 


Sul da Ilha - Ribeirao - Anos 70

Clique na imagem para amplia-la

 

 


UFSC - Estrada do Pantanal - Anos 60

Clique na imagem para amplia-la

 


Forte de Santa Cruz - Anhatomirim - Incio da década 70

Clique na imagem para amplia-la

 


Rua Almirante Lamego

Clique na imagem para amplia-la

 


Vista da Trindade - Igrejinha - Uma paisagem que nao existe mais - Anos 60

Clique na imagem para amplia-la

 


Carnaval 1962, Ala das Baianas

Clique na imagem para amplia-la

 


Ponte Hercilio Luz - Vista do centro - 1955

Clique na imagem para amplia-la

 


Centro - Hotel Laporta - Década de 1960

Clique na imagem para amplia-la

 


Lagoa da Conceicao na Década de 50

Clique na imagem para amplia-la

 


Morro das Pedras - Década de 50

Clique na imagem para amplia-la

 


Florianópolis, anos 70

Um pedacinho de terra,
perdido no mar!...
Num pedacinho de terra,
beleza sem par...
Jamais a natureza
reuniu tanta beleza
jamais algum poeta
teve tanto pra cantar!

Estes versos fazem parte da música "Rancho de Amor à Ilha" de Cláudio Alvim Barbosa, o Zininho, hino da cidade Florianópolis, escolhido em um concurso promovido em 1965 pela Prefeitura Municipal, é também uma das músicas mais populares na cidade. Para quem conhece a "ilha", não se trata de exagero do saudoso poeta, ao contrário, Florianópolis é um lugar onde a natureza é exuberante, pois num só lugar, a natureza reuniu as mais variadas paisagens: dunas, praias, montanhas, planícies, lagoas, rios, enfim, uma natureza diversificada e, mais que isto, totalmente preservada, o que a torna, sem sombra de dúvidas, um lugar único e de beleza singular.


Mapa da Ilha de Santa Catarina, onde se situa Florianópolis

* HISTÓRIA

Os indícios mais antigos da ocupação humana na ilha datam de 4.800 AC, e podem ser vistos nos inúmeros sítios arqueológicos localizados na ilha, como o sediado no Parque Arqueológico dos Ingleses e do Santinho, onde se localizam as oficinas líticas (foto abaixo).

Essas oficinas eram locais onde os grupos pré-coloniais poliam instrumentos de pedra, em áreas de acesso a costões, na beira de rios e praias, por intermédio da abrasão da pedra através de areia (agente abrasivo) e de água (agente diluente).

As oficinas também podem ser encontradas nas praias do Santinho, da Galheta, do Pântano do Sul, da Armação, da Joaquina, na Barra da Lagoa e nas Ilhas do Campeche e de Anhatomirim.


Oficina lítica, costão sul dos Ingleses.

No início do século XVI, embarcações que demandavam à Bacia do Prata aportavam na Ilha de Santa Catarina para abastecerem-se de água e víveres. Entretanto, somente por volta de 1672 é que Francisco Dias Velho, junto com sua família e agregados, dá início a povoação da ilha com a fundação de Nossa Senhora do Desterro (atual Florianópolis) - segundo núcleo de povoamento mais antigo do Estado (o primeiro é São Francisco do Sul, 1658), desempenhando importante papel político na colonização da região.

A partir desta data intensifica-se o fluxo de paulistas e vicentistas que ocupam vários outros pontos do litoral. Em 1726, Nossa Senhora do Desterro é elevada a categoria de vila, a partir de seu desmembramento de Laguna.

Foi a partir de 1675 que a Ilha passou à condição de pequeno povoado por iniciativa do bandeirante Francisco Dias Velho, interessado que estava no comércio de índios e de pedras preciosas.

Com o fracasso da empreitada de Francisco Dias Velho, a Ilha de Santa Catarina voltou ao quase abandono. Isso preocupou a Coroa Portuguesa, pois eram freqüentes o assédio de piratas e navegadores, principalmente espanhóis.

Temerosos de perder este ponto estratégico de seu território colonial, Portugal providenciou a ocupação da então localidade de Nossa Senhora do Desterro, promovendo a vinda de colonizadores do Arquipélago dos Açores a partir de 1747.

O Arquipélago dos Açores, parte do território português ultramarino, passava na época por seríssimos problemas sociais. Incentivados pela promessa de condições de vida melhores, levas de famílias açorianas desembarcaram na Ilha de Santa Catarina, dando início ali às primeiras freguesias, como Santo Antônio de Canasvieiras e Ribeirão da Ilha.

A ilha de Santa Catarina, por sua invejável posição estratégica como vanguarda dos domínios portugueses no Brasil meridional, passa a ser ocupada militarmente a partir de 1737, quando começam a ser erigidas as fortalezas necessárias à defesa do seu território. Esse fato resultou num importante passo na ocupação da ilha.

Atualmente, a onda de movimentos ecológicos atraiu muitas pessoas, na maioria jovens à procura de uma cidade calma e razovelmente bem provida em termos de serviços e distante da agitação dos grandes e poluídos centros urbanos. Assim, localidades como a Lagoa da Conceição e seus arredores, Ribeirão da Ilha, Santo Antônio de Lisboa, Rio Tavares, Rio Vermelho, Sambaqui, Cacupé, Barra da Lagoa e Campeche viram suas populações sofrerem um crescimento geométrico, alterando o perfil urbano de Florianópolis.

Não obstante o olhar desconfiado do "manezinho" da ilha, o fluxo migratório para Florianópolis, robustecido na última década, tem revelado uma melhoria nos setores de serviços e comércio da cidade, que se apresentava de forma insipiente.

Com os novos moradores, geralmente, oriundos das cidades de Porto Alegre, São Paulo, Rio de Janeiro, Curitiba e Brasília. A cidade passou a conviver com novos hábitos, alguns salutares, como a idéia preservacionista advinda da preocupação com a qualidade de vida (perdida nos grandes centros), que trouxe para a cidade, um povo com um ótimo nível sócio-cultural. Segundo levantamento feito pelas imobiliárias da cidade, hoje, 20% dos novos moradores são estrangeiros vindos da América do Norte e Europa.

Segundo o último censo populacional realizado pelo IBGE (2002), Florianópolis apresenta uma população estimada de 360.601 habitantes, sendo que a população total da Região Metropolitana de Florianópolis, que inclui, dentre outros, os municípios de São José, Palhoça e Biguaçu, totaliza uma população de 747.021 habitantes, o que, por sua vez, representa 13,51% de toda a população do Estado.


Av. Beira-Mar à noite, vista do continente - Imagem de Paulo Pinheiro

* TURISMO

Ladeada por mais de 40 ilhas, que são locais de descanso de aves migratórias, pontos de apoio para mergulhadores ou simples paraísos de fauna e flora, rodeados por água cristalina e uma paisagem de tirar o fôlego, Florianópolis oferece mais de 60 praias, de areias claras e finas, águas calmas e cristalinas se alternam com praias de areias grossas formadas de conchas trituradas pela força do mar, algumas criam o ambiente perfeito para os surfistas que vêem aqui serem realizadas etapas de campeonatos mundiais. Nas baías protegidas do mar aberto, a sensação é de estarmos flutuando nas águas calmas de nossas lagoas, quando, de repente, a presença de um golfinho nos faz lembrar que estamos no mar.

Com mais de 100 mil hectares de Áreas Naturais Protegidas, a região da Grande Florianópolis é o ambiente perfeito para os amantes da natureza. Em seus Parques e Sítios Arqueológicos você poderá entrar em contato com a vegetação exuberante, poderá desfrutar de momentos de meditação ou encarar aventuras radicais em meio a biodiversidade da região.

Daí porque o Turismo é, hoje, uma das mais importantes atividades econômicas de Florianópolis. Na temporada de verão 2003/2004 o fluxo de turistas foi de 581.442, sendo que 492.114 nacionais e 89.328 estrangeiros.

O Município de Florianópolis é composto por 12 distritos que se concentram na Ilha. Segundo dados do IBGE de 2000, destaca-se o distrito sede com maior população (213.574 habitantes). Em média, cada distrito possui 9.127 habitantes. A Ilha possui 85 comunidades, sendo a comunidade do Centro a com o maior número de habitantes (41.827). No Continente, que possui 9 comunidades, Capoeiras é o mais populoso, com 17.905 habitantes, enquanto que a comunidade de Bom Abrigo perfaz 1.196 habitantes.

Em estudo recente, realizado pela Universidade Federal de Santa Catarina, mantendo-se as áreas de preservação permanente e respeitado o plano diretor, que determina o máximo de três pavimentos para os prédios localizados nas praias, a ilha teria capacidade de abrigar 9.600.000 (nove milhões e seiscentas mil pessoas), o que denota o tamanho da ilha. De ponta a ponta, dos Ingleses ao Pântano do Sul, percorre-se cerca de cinqüenta quilometros.



Pranchas nas dunas no caminho para a Joaquina ("a Joaca") - .Mergulhador na Barra da Lagoa

 


Barra da Lagoa - Imagem de Paulo Pinheiro

 

 

* PRAIAS

1. Norte da Ilha:

- Praia Brava - distância do Centro a Praia: 38 km

Está limitada entre o mar e a encosta íngreme, de onde em sua chegada obtém-se uma visão magnífica de toda praia. O mar agitado, com ondas fortes é ótima para a prática do surfe com águas cristalinas e excelentes condições para mergulho. Com condomínios de elevado padrão, com canchas de tênis, padlle, piscinas e playground. Possui hotéis, bares e restaurantes de ótimo nível.

- Canasvieiras - distância do Centro a Praia: 27 km

Tornou-se o balneário mais procurado pelos argentinos nos meses de verão. Funcionando como um mini-centro de prestação de serviços, é hoje, uma das praias de melhor infra-estrutura e de maior opção de lazer para a vida noturna. Mar calmo é ideal para esportes náuticos. Encontra-se também como opção vários tipos de embarcações para aluguel ou passeio a Ilha de Anhatomirim.

- Ingleses - distância do Centro a Praia: 36 km

Acredita-se que esta praia é chamada Praia dos Ingleses por haver ali naufragado um grande navio inglês. Atualmente a praia é uma das mais urbanizadas da Ilha, com infra-estrutura capaz de sustentar um amplo fluxo turístico. Oferece uma vasta gama de serviços e atrativos tais como: bares, restaurantes, boutiques, hotéis, campings e casas para aluguéis.

- Jurerê Internacional -distância do Centro: 25 km

Praia de mar calmo e águas limpas. Sua estrutura urbana é totalmente planejada. Área residencial de alto padrão com belíssimas casas de veraneio. Apresenta excelente infra-estrutura, em termos de bares, clube, shopping, hotéis, sofisticados restaurantes e outros serviços.

- Santo Antônio de Lisboa - distância do Centro a Praia: 13

Recanto calmo e de cultura açoriana, possui águas mansas e quentes. Foi a primeira localidade da Ilha a ter uma rua calçada, conservando até hoje o material primitivo usado. Nos últimos anos, tem se destacado o cultivo de ostras e mariscos.

2. Costa Leste:

- Praia Mole - distância do Centro a Praia: 15 km

Com águas frias e ondas especiais para prática do surfe, não é considerada uma praia para crianças, o banho exige cuidados. É freqüentada pela juventude, vista como o paraíso dos surfistas. Dotada de estacionamento público além de bares que abrem à noite.

- Joaquina - distância do Centro a Praia: 15 km

É uma das praias com a melhor infra-estrutura para visitantes. Mundialmente conhecida por excelentes condições para a prática do surfe e pela infinidade de competições deste esporte sediados nela. Freqüentada por jovens, é palco de grandes shows na temporada de verão. Seu nome se origina de uma velha rendeira chamada Joaquina que segundo conta a lenda, morreu afogada nesta praia. Oferece serviços de estacionamento, salva-vidas, terminal turístico, lojas de artesanato, restaurantes, bares, chuveiros, banheiros, além de iluminação noturna.

3. Praias do sul:

- Ilha do Campeche - o acesso é feito por barco, duas opções estão disponíveis, a primeira, pegando o barco na praia da Barra da Lagoa; a segunda, na praia da Armação.

Localizada na Costa Leste da Ilha de Santa Catarina, esta Ilha fica em frente a Praia do Campeche. É rica em inscrições rupestres e oficinas líticas. Alongada, correndo na direção sudeste, dispõe de um ancoradouro para pequenas embarcações. Atualmente, a Ilha é ocupada pelo Clube de Preservação Ecológica e Esportiva Couto Magalhães. Com uma pequena extensão de areia, oferece serviços de bar e telefone público. Transporte marítimo com saída da Praia da Armação do Pântano do Sul.

- Lagoinha do Leste - distância do Centro a Praia: 28 + 3* km

Localiza-se entre as praias do Pântano do Sul e do Matadeiro. Pode-se chegar de barco ou a pé, caminhando em torno de 45 min por trilhas. A praia é pequena e no final dela está a Lagoinha, com águas limpas e ondas. Não possui nenhuma infra-estrutura. Uma boa opção para o turismo ecológico.

- Pântano do Sul - Distância do Centro a Praia: 28 km

Apresenta características típicas de colônias de pescadores. Ali está localizada uma das mais importantes reservas arqueológicas da Ilha. O Pântano possui um mar relativamente agitado, mas com ondas não muito grandes. Há bares e restaurantes especializados em frutos do mar.

* CLIMA

Florianópolis apresenta as características climáticas inerentes ao litoral sul brasileiro. As estações do ano são bem caracterizadas, verão e inverno bem definidos, sendo o outono e primavera de características semelhantes. A precipitação é bastante significativa e bem distribuída durante o ano. Não existe uma estação seca, sendo que elevadas precipitações ocorrem de janeiro a março, com média de 160 mm mensais, sendo que de abril a dezembro há pouca variação, a menor quantidade de chuva ocorre no período de junho a agosto.

A média anual da temperatura no período de 1923 -1984 foi de 20,4 º C. Fevereiro, mês mais quente, apresenta uma média mensal de 24,5 ºC e julho, mês mais frio, 16,4 ºC. A média das máximas do mês mais quente varia de 28 a 31ºC e a média das mínimas do mês mais frio, de 7,5 a 12°C .

* HOSPEDAGEM

Florianópolis conta com uma ótima rede hoteleira, e nessa primeira década do milênio, grandes redes investiram na cidade, como a francesa ACCOR, mas, a "ilha da magia" possui um grande número de pousadas familiares, em belos pontos, como nas da Prainha da Barra da Lagoa, aliado às belezas naturais e ao povo acolhedor, Florianópolis tem se tornado um centro de eventos, com campeonatos de surf, provas de automobilismo, festivais de música ( Planeta Atlântida ), feiras de produtos, e grandes conferências.


Aereal view of Florianopolis SC

Clique na imagem para amplia-la

Os períodos de maior movimento turístico estão entre a semana do natal até o final do mês de janeiro, com o pico entre o natal e o dia 10 de janeiro, no entanto, é nos meses de fevereiro e março, que, indubitavelmente, o turista melhor aproveita a cidade, isto porque o fluxo de turistas diminui, implicando a diminuição dos preços, além disto, é a época que o sol se apresenta com mais regularidade, quando ocorrem os dias ensolarados, o "céu de brigadeiro", ou seja, sem nenhuma nuvem.

Maiores informações sobre hospedagem em Florianópolis/SC, sugerimos o acesso ao site: http://www.vivafloripa.com.br/hospedagem.htm, onde são apresentados diversos tipos de acomodações, que contemplam desde sofisticados apart-hotels até pousadas rústicas.

 


Trapiche Florianópolis SC - Fim de Tarde - imagem de Paulo Pinheiro

 


Av. Beira-Mar na passagem de ano - Imagem de Paulo Pinheiro

 

Fontes: textos: site:http://www.pmf.sc.gov.br;

http //www.guiafloripa.com.br/cidade/populacao.php

http://www.visitefloripa.com.br/

http://www.sc.gov.br

http://www.sc.sfs.com.br

http://www.baixaki.com.br/perfil/301/papeis-de-parede/


Satélite Landsat (2000)

Clique na imagem para amplia-la

fotos extraídas dos sites: http://www.turismo.gov.br/site/pl/galeria_multimidia; http://www.omane.com.br/mapadailha.php; http://hid0141.blogspot.com/2010/12/florianopolis-antigo.html; www.velhobruxo.tns.ufsc.br/Albuns.html ; DAEX / UFSC, Acervo UFSC; I.H.G.S.C; Coleção Rogério Santana; Acervo Bruxo Els; Paulo Ricardo Guedes Pinheiro

 



Amsterdam | Bahamas | Berlin | Délhi, Mumbai, Chennai and Bangalore | Destinos Românticos | Dubai | Fortaleza | Florianópolis | Jerusalem | I Ilha da Madeira | Londres | Los Angeles | Madrid | Mekong | Montreal | Moscou | Munique | New York | Nordeste | Paris | Rio de Janeiro | Salvador | São Petersburgo | Viena | Martinica