O amor de Leon Cakoff

O crítico de cinema Leon Cakoff morreu aos 63 anos, seis dias antes do início da 35ª Mostra Internacional de Cinema em São Paulo criada por ele.

Leon Cakoff é um herói da cinefilia. Foi o criador da Mostra, evento que tem alimentado o repertório de cinéfilos paulistanos e visitantes durante os últimos 34 anos. Abbas Kiarostami, Manoel de Oliveira, Amos Gitai, Theo Angelopoulos, Alejandro Agresti, Alexander Sokurov, Béla Tarr... são apenas alguns dos diversos diretores cuja obra Cakoff nos apresentou desde que a Mostra começou, na sala de cinema do Masp, em 1977.


Leon Cakoff
Clique na imagem para amplia-la

"Merece uma estátua na cidade por tudo que fez pela cultura de SP. Viva Cakoff! Que figura extraordinária!"

Mostra do quê? De cinema, claro. E internacional, ainda por cima. Mas podem chamar só de Mostra mesmo. É como o evento é conhecido por todos que o acompanham, é como ficou gravado por ser "o" evento cinematográfico de todos os anos em outubro, por fazer com que muitos tirem férias de seus trabalhos para enfrentar as filas.

Criar não quer dizer apenas idealizar e realizar nesse caso. Quer dizer também lutar contra a censura (principalmente a do regime militar), contra a lentidão da alfândega, o despreparo do público, pouco habituado a ver cinematografias distantes (público que já foi pequenino, agora é grande), os problemas do dia a dia que qualquer festival cinematográfico enfrenta, a antipatia de muitos, a inveja de outros, suas próprias tensões, enfim, todo um desafio diário, um leão por dia a ser enfrentado e dominado. E também um desafio anual, para nosso prazer.

Leon Cakoff virou empreendedor. Como todo evento que faz sucesso, ou você o encara de frente e torna-se um empreendedor desse evento, fazendo com que cresça e renove suas forças para não ser ultrapassado, ou você procura viver na semi-clandestinidade, fiel ao princípio (e não aos princípios) e arca com o prejuízo, incluindo o maior deles: o de ter verdadeiros tesouros sendo apreciados por alguns poucos.


A ditadura chegou a interromper o festival após
a exibição de “O Estado das Coisas”, de Wim Wenders, em 1984.

Clique na imagem para amplia-la

Cakoff escolheu o lado mais democrático e difícil. Esse lado empreendedor fez com que aumentasse a antipatia por ele em alguns círculos. Bobagem, claro, mas o fato é que não sabemos muito bem como lidar com pessoas que são bem sucedidas e trabalham muito num país que ainda beira a miserabilidade e que inspira o oba-oba carnavalesco.

O crítico e jornalista tinha sempre muitas histórias para contar, em livros sobre a mostra ou sobre o amor pelos filmes, nos pequenos jornais da mostra que circulavam até pouco tempo, em inúmeras entrevistas e nos produtos derivados de sua marca, a Mostra (sessões na TV, lançamentos em cinema e DVD, livros).


Roads and Trees - Abbas Kiarostami
Clique na imagem para amplia-la

Numa das edições do Jornal da Mostra, sob o título "O eterno humor zombeteiro do mestre Buñuel - Parte 2", a história que Cakoff conta no meio de um texto é sensacional (tal texto também foi publicado no jornal Valor Econômico, em 2003). Estava ele na companhia do grande diretor espanhol Luis Buñuel, andando pela Croisette durante o Festival de Cannes de 1971. Como sua narrativa é saborosa, melhor deixar o leitor com suas próprias palavras:

"É quando avistamos um vulto alto de mulher, sozinha, vindo em nossa direção. Não há mais ninguém andando por aquela hora da manhã. Mais um pouco e reconhecemos a figura que se aproxima: Glenda Jackson!

O nosso silêncio fica ainda mais tenso. Cruzamos com Glenda, abrimos caminho, Buñuel de um lado, eu do outro, ela pelo meio, sem nenhum sinal de reconhecimento da sua parte. O silêncio continua por mais uma boa distância até que Buñuel não se contém, me segura forte pelo braço e para para soltar a sua máxima lapidar:

'Que és fea, és... Pero me habla al carajo...'"

Um personagem de Fellini

Uma outra história fascinante é narrada em um livro cheio delas. Cakoff conta que visitou Fellini durante uma filmagem na Cinecittá, o lendário estúdio italiano. Uma vez lá, acabou participando como figurante de "Ginger e Fred". Pode ser visto na plateia do programa de TV para o qual os personagens do título dançam. Tornou-se, por dois dias, um personagem felliniano.

Mas é na realização das várias edições da Mostra que aconteceram o maior número de relatos curiosos ou emblemáticos de sua luta pelo cinema autoral e pelo exercício da cinefilia. Como quando se separou do MASP, depois de sete anos de parceria, e teve que providenciar a edição de 1984 num escritório improvisado na prefeitura, por intermédio e gentileza de Gianfrancesco Guarnieri, então Secretário Municipal de Cultura.

Nesse mesmo ano conseguiu, por meio da lábia de um experiente advogado, o fim da censura prévia dos filmes que seriam exibidos. Poucos dias depois seu mandado de segurança foi cassado. A Mostra foi interrompida por quatro dias até que os censores vissem trechos de todos os filmes que haviam chegado. Tais acontecimentos - e muitos outros - são contados pelo próprio Cakoff no delicioso livro "Cinema sem fim: A história da Mostra - 30 anos" (Imprensa Oficial).

Como programador, curador, distribuidor e exibidor, sem esquecer seu lado cinéfilo, Cakoff sempre conservou o pensamento rápido de um jornalista. Ao ser perguntado por Antonio Abujamra, no programa "Provocações", se ele era um escravo da imagem, respondeu certeiro: "não, pelo contrário, a imagem me liberta".

Envolvia-se em polêmicas bobas como quando reclamou do desprezo dos críticos brasileiros pelos filmes de Claude Lelouch exibidos na edição de 2007 (desprezo que, por sinal, acompanha a carreira desse diretor desde o início). Mas envolvia-se nelas porque sua paixão desmedida pelo cinema fazia com que lutasse por aqueles que considerava injustiçados. E porque em algum momento parecia esquecer que em um evento com mais de 300 filmes, quem consegue ver 1/3 deles é mágico ou não precisa de sono.

O melhor presente que podemos lhe dar, para que descanse em paz, é trabalharmos todos - críticos, jornalistas, espectadores casuais e cinéfilos, sem esquecer dos funcionários que trabalham por seus intentos - para que a Mostra continue bombando e alimentando nossos corações e mentes dessa arte tão bela e sempre tão ameaçada.

Leon Cakoff plantou essa semente com tamanhos poderes que não nos parece possível vê-la enfraquecida. Em algum lugar do cosmos, ele estará vibrando com os filmes exibidos, refletindo conosco os rumos do cinema.

Leon CAKOFF (Brazil / Sao Paulo International Film Festival President)

Active as a film critic, director and producer, and also as president of the Sao Paulo International Film Festival which he founded in 1977 while programming director of the Museum of Art of Sao Paulo. Also established a cinema chain that screens both major and art films. Author and editor of several books on film directors including Aleksandr SOKUROV, OZU Yasujiro, Abbas KIAROSTAMI and Manoel de OLIVEIRA. Director of short film “Come Back Always, Abbas,” which screened at the Venice Film Festival in 1999. Apart from “Welcome to Sao Paolo,” he also produced the 2005 feature film project “Invisible World” that includes Manoel de OLIVEIRA 's short film “From Visible to Invisible,” which screened at this year's Venice Film Festival.

Fonte: http://cinema.uol.com.br/ultnot/2011/10/14/heroi-da-cinefilia-leon-cakoff-foi-ate-personagem-de-fellini-em-ginger-e-fred.jhtm; http://flanelapaulistana.com/2011/10/leon-cakoff-1948-2011/; http://pipocamoderna.com.br/leon-cakoff-1948-2011/

Home
Links

Artes Plásticas: A Arte do Brasil Holândes | A Arte do Egito Antigo | Arte Pré-Colombiana | Arte Tibetana | Beatriz Milhazes | Capela Sistina | Caravaggio, Pintor da luz e das trevas da alma | Damien Hirst | Francisco Goya | Frida: A Dor da Vida, A Dor Da Arte | Henri Rosseau | Impression : Soleit Levant | Kandinsky | La persistencia de la memoria | Las Meninas | Luz e Espaço | Manet | Meus Quadros - Leandro Reis | O quadro mais famoso do mundo | O Retrato do Doutor Gachet | Os pastores de Arcadia | Pablo Picasso | Pintura Barroca | Pintura Metafísica | Pinturas de Estradas | Rembrandt | Vieira da Silva | Virgem dos Rochedos, A | William Blake | Henri de Toulouse-Lautrec

Cinema: 1944, O Ano Noir |  A Falta que Nos Move | A Verdade Interna Revelada? | Alain Resnais | Alice no País das Maravilhas | Antonioni | As maiores canções do cinema - 0s 25 melhores filmes de todos os tempos | Bergman | Billy Wilder | Blow Up | Cahiers du Cinema | Cinzas da Guerra | Chinatown | Coincidências do Amor ( The Switch ) | Conversas com Scorsese | Ed Wood, Gênio? | Fellini | Garbo | Grandes atrizes francesas | Grande Musicais | Hachiko | Kiss Me Kate | Kundun | L’Enfer de Clouzo | Liz Taylor: Mito | Max Ophuls | Munich | Neo-Realismo Italiano | No Direction Home - Bob Dylan | O amor de Leon Cakoff | Os magos | Pier Paolo Pasolini | Rediscovering | Shane | Steven Spielberg | Sunset Boulevard | The Gang's All Here | Um estranho no ninho | Untold history of the United States | Awake .

Literatura: Arthur Clarke | Clássicos da Literatura | Dom Quixote | Jose Saramago | Joseph Conrad | Grande Gatsby, O | Grandes Poetas por Will Durant | Literatura Inglesa | Mario, Íntimo e pessoal | Vermelho e o Negros, O | Viagem do Elefante, A | Yeats e Joyce resgatam a identidade da Irlanda | Sobre preciosidades evolutivas | Carlyle e a Revolução

Outras: A Flauta Mágica | Antunes Filho | A Cabra ou Quem é SylviaAs pecas de Oscar Wilde | Bejart | Catedral de Chartres | Contemporaneidade | Daquele Instante em Diante |  Debussy, Schoenberg e Stravinsky | Grandes Arquitetos |  Hair | I´m Not There | Lacroix na ArteMistérios e paradoxos de Chopin, para Freire |  Niemeyer, construindo identidades | Nona Sinfonia | Queremos Miles |  Teatro | The Doors Are Open | Ray Charles Live in France 1961 (2011) | Sonho de uma Noite de Verão | Living in The Material World: George Harrison | Edgard Scandurra Estraçalhante | H.Hancock, Lenda Viva do Jazz | Kung Fu | Pina: Visceras de amor | Lou Reed | Música Sacra | Baden Powell Quartet | Todo Aquele Jazz | Osama Kitajima | Eric Clapton 70 | Jimmy Burns, ícone do blues de Chicago | O Lago dos Cisnes | Don Giovanni | Songs 50´s | Joe Harriott | Kindred Spirits Live | Top 10 Composers