Lacroix na Arte

 

Exposição em São Paulo apresenta os figurinos desenhados pelo estilista Christian Lacroix para teatro, ópera e balé



Clique na imagem para amplia-la

Apaixonado por teatro desde a meninice, vivida na cidade francesa de Arles, o estilista Christian Lacroix começou a desenhar figurinos para peças, balés e óperas antes mesmo de criar sua grife de alta-costura. Um dos principais responsáveis por injetar cor e extravagância ao segmento mais exclusivo da moda — dominado até meados da década de 1980 por trajes minimalistas —, Lacroix empresta o estilo barroco de suas coleções a figurinos de personagens memoráveis, como a Desdêmona da montagem francesa de Otelo (1995), de Shakespeare, e Fedra, papel-título da clássica tragédia de Racine, levada aos palcos parisienses no mesmo ano.



Clique na imagem para amplia-la

Como parte dos eventos do Ano da França no Brasil, o Museu de Arte Brasileira da Fundação Armando Álvares Penteado (MAB-Faap), em São Paulo, abriga, a partir de 24 de agosto, cerca de cem peças de figurinos teatrais e 80 croquis. Eles compõem a exposição Christian Lacroix — Trajes de Cena, já vista na França e em Cingapura. Sejam para as passarelas ou para o palco, as roupas concebidas por Lacroix carregam elementos básicos para um verdadeiro show de estilo: tons vibrantes, ousadia e brilho na medida exata.



Clique na imagem para amplia-la

Balé - Sherazade. Quando foi convidado pela coreógrafa francesa Blanca Li para desenhar o figurino do balé Sherazade (2001), Lacroix propôs a ela que esquecessem as peças da célebre montagem de 1910, dirigida pelo russo Serguei Diaghilev. Para a nova versão, pensou em cinco matrizes de cores: branco, vermelho, azul, preto e branco e uma policromática, inspirada nos tons do amanhecer. Calças curtas ou pantalonas, lenços de tafetá e peças com apliques compunham a coleção.

Ópera - Romeu e Julieta. Com direção do francês Ludovic Lagarde, a criação do compositor contemporâneo francês Pascal Dusapin foi encenada em abril de 2008 no Opéra Comique, em Paris. No mais recente trabalho de Lacroix para os palcos, o estilo elisabetano domina o figurino, com peças bufantes e bordadas. Os croquis dos vestuários de Romeu e Julieta ainda apresentam cores indefinidas; quando prontas, as peças de Romeu ficaram em um tom de cinza azulado e o vestido de Julieta, em rosa-bebê.


© Centre National du Costume de Scène, France
Fotografia: Jean-Marc Tessonnier - Ville de Moulins
Clique na imagem para amplia-la

Teatro - Fedra. Para o figurino da montagem de Fedra (1995), dirigida por Anne Delbée e apresentada na Comédie-Française, o estilista trabalhou principalmente com tecidos egípcios, tingidos em vários tons. Inspirado no vestuário da Antiguidade grega, Lacroix desenhou modelos que destacam o movimento e o volume das peças.

 

A mostra está dividida em vitrines e salas. São elas:

Gaîté Parisienne

Ballet em um ato. Livreto Etienne de Beaumont, música Jacques Offenbach com arranjos de Manual Rosenthal, coreografia Léonide Massine, criada em Monte Carlo em 1938. Produção exibida: coreografia Lorca Massine, cenário Zack Brown, figurinos Christian Lacroix, American Ballet Theatre, New York, 1988.

Espanha (Carmem / Arsa y Toma)

Carmen

Ópera-cômica em quarto atos, música Georges Bizet, livreto Henri Meilhac e Ludovic Halévy segundo a novela de Prosper mérimée, criada na Ópera-Cômica de Paris, em 1875.
Produção exibida: direção de Antoine Bourseiller, cenário e figurino Christian Lacroix, Arènes de Nîmes, 1989.


© Centre National du Costume de Scène, France
Fotografia: Patrick Lorette
Clique na imagem para amplia-la

Arsa y toma

Ballet flamenco, coreografia Cristina Hoyos, música Paco Arriaga, cenário Daniel Bianco, figurino Christian Lacroix, iluminação Paco Doniz, Ópera de Avignon e dos Países de Vaucluse, 1996.

Otelo

Peça de William Shakespeare, criada no Whitehall Palace em Londres, em 1604.
Produção exibida: adaptação e direção Anne Delbée, cenário Jean-Pierre Regnault, figurino Christian Lacroix, Paris, Théâtre 14 Jean-Marie Serreau, 1995.


© Centre National du Costume de Scène, France
Croqui original Christian Lacroix
Clique na imagem para amplia-la

Fedra

Peça de Jean Racine, criada em 1677, no Hôtel de Bourgogne, Fedra é até hoje a tragédia clássica por excelência, inspirada nos poetas gregos e romanos e nas mitologias antigas. Produção exibida: direção de Anne Delbée, cenário Jean-Pierre Regnault, figurinos de Christian Lacroix. Paris, Comédie-Française, 1995.

Eliogabalo

Dramma per música em três atos, música Francesco Cavalli, livreto anônimo completado por Aurélio Aureli. Composto em 1668, para o carnaval, por um grande mestre da ópera veneziano.
Produção exibida: direção Vincent Lemaire, figurinos Christian Lacroix, iluminação Alain Poisson. Bruxelas, Téâtre de La Monnaie, 2004.

Sherazade

Composta em 1888 por Nicolas Rimksy-Korsakov, “Sherazade” é originalmente uma suíte sinfônica inspirada nas “Mil e Uma Noites”. Em 1910, Serge Diaghilev, diretor dos Ballets Russos, extrai da partitura um ballet, coreografia de Michel Fokine, cenário e figurino de Léon Bakst, criado na Ópera de Paris em 1910.
Produção exibida: coreografia Bianca Li, cenário Thierry leproust, figurino Christian Lacroix, iluminação Jacques Chatelet, Ópera Nacional de Paris, Palais Garnier, 2001.

As Artes Florescentes (Actéon / Didon e Enéias / As Artes Florescentes / A Mulher sem Sombra)

Actéon

Pastoral em música de Marc-Antoine Charpentier. Livreto anônimo segundo “As Metamorfoses” de Ovide, livro III, obra criada cerca de 1680.

Didon e Enéias

Ópera em três atos de Henry Purcell. Livreto de Nahum Tate segundo o livro IV de “L’Enéide”. Criado em 1689 na “Boarding School for girls”, em Chelsea.
Produção exibida: direção Vincent Boussard, criação dos vestidos Christian Lacroix, direção musical William Christie. Paris, Teatro do Champs-Elysées, 2001.

As Artes Florescentes / A decida de Orfeu aos Infernos

Duas óperas de Marc-Antoine Charpentier, escrita para Mademoiselle de Guise nos anos 1680.
Produção exibida: Orquestra de Arts Florissants, direção e cravo William Christie, direção Vincent Boussard, vestidos Christian Lacroix,. Paris, Cité de La Musique, 2004.

A Mulher sem Sombra

Ópera de Richard Strauss. Livreto de Hugo Von Hofmannsthal, criada na Ópera de Viena em 1919.
Produção exibida: direção Mathew Jocelyn, cenário Alain Lagarde, figurino Christian Lacroix, iluminação Roberto Venturi. Bruxelas, Théâtre de La Monnaie, 2005.

Cosi Fan Tutte (Cosi Fan Tutte / Il Re Pastore / Wilhelm Meister)

Drama jocoso em dois atos de Wolfgang Amadeus Mozart, livreto de Lorenzo Da Ponte, criado em Burgtheater em Viena, em 1790.
Produção exibida: direção Vicent Boussard, cenário Vincent Lemaire, figurinos Christian Lacroix, iluminação Alain Poisson. Bruxelas, Théâtre de La Monnaie, 2006.

Il Re Pastore

Dramma per musica em dois atos de Wolfgang Amadeus Mozart, livreto de Pietro Metastasio, criado em Salzbourg em 1775.
Produção exibida: direção e cenário Vincent Boussard, figurinos Christian Lacroix, iluminação Alain Poisson. Bruxelas, Théâtre de La Monnaie, 2003.

Os Caprichos de Mariana

Peça de Alfred de Musset, lançada na “La Revue des Deux Mondes” em 1833, criada na Comédie-Française em 1851.
Produção exibida: direção Lambert Wilson, cenário Jean-Vincent Puzos, figurinos Christian Lacroix, iluminação François Austerlitz. Paris, Théâtre dês Bouffes Du Nord, 1994.

A Valsa dos Tutus (Lês Anges Ternis / Zoopsie Comedi)

Les Anges ternis
Música Charlie Mingus, coreografia Karole Armitage, figurino Christian Lacroix. Criação mundial Opera de Paris, Palais Garnier, 1987

Zoopsie Comedi
Revista musical e coreografia das Companhis Lolita e Beau Geste, cenário Arnaud Saure, figurino Christian Lacroix, Sylvie Skinazi, Bataclan, 1986.


Fedra e Don Juan
© Centre National du Costume de Scène, France
Fotografia: Jean-Marc Tessonnier - Ville de Moulins
Clique na imagem para amplia-la

Centre National du Costume de Scène

O Centre National du Costume de Scène - CNCS (Centro Nacional do Traje de Cena), cujo Presidente é Christian Lacroix, é a primeira estrutura de conservação, tanto na França quanto no exterior, a ser inteiramente consagrado ao patrimônio material dos teatros. Ele tem como missão a conservação, o estudo e a valorização de um patrimônio, totalizando 9000 trajes de teatro, de ópera e de balé, assim como telas de cenário pintadas, acervo das três instituições fundadoras do Centre: a Biblioteca Nacional da França, a Comedie-Française e a Ópera Nacional de Paris. Saiba mais

Data: de 24/08 a 1/11/2009
Local: Museu de Arte Brasileira da FAAP
Endereço: Rua Alagoas, 903 – Higienópolis
Informações: (11) 3662-7198
Horário: De terças a sextas, das 10h00 às 20h00
Sábados, domingos e feriados, das 13h00 às 17h00
E-mail: museu.secretaria@faap.br
ENTRADA FRANCA - Como chegar


Clique na imagem para amplia-la

 

Christian Lacroix

Nascido em Arles, na França, em 1951, Christian Lacroix costurou estilos e referências de diversas épocas, revirando todas as regras já estabelecidas pela evolução da moda. Criou coleções desconcertantes nas quais predominam o luxo, a fantasia e, principalmente, toda sua audácia.

Há mais de vinte anos, antes mesmo de criar a sua Maison de costura, o estilista trabalha com uma paixão constante nas coxias dos teatros e em seus ateliês de costura. Conjuga a ciência da técnica da alta costura, o savoir-faire artesanal, truques e astúcias do palco, o respeito pelas obras e a sensibilidade pessoal dos atores. Ele gosta de evocar seus primeiros passos na costura, já que desde jovem, ao voltar do teatro, reinterpretava os trajes que havia visto em cena.

Em 2008, ele realizou o sonho de ser curador de museus, quando ficou à frente de duas exposições em comemoração aos 20 anos de sua maison. A primeira foi “Christian Lacroix, Histoires de Mode”, realizada no Musée dês Arts Décoratifs, em Paris. A segunda mostra “Christian Lacroix -Trajes de Cena”, idealizado para o CNCS, acontece a partir de agosto de 2009, no Museu de Arte Brasileira da FAAP. O requinte da alta costura de Lacroix já esteve presente na FAAP em 1997, quando ele apresentou as suas coleções em um desfile e uma exposição.

 

Lacroix Fashion House Courts New Investors

Christian Lacroix's designs are distinctive, original, and sadly not always wildly popular. The Wall Street Journal reports that Florida-based Falic Group, which has owned the Lacroix fashion house since 2005, is looking to sell a stake in the firm to private investors.


Clique na imagem para amplia-la

As department stores reduce their inventory to match the newly reduced appetites of their fashionable clientele some labels including Lacroix have seen reduced orders. Brands that are a bit outside the "timeless and classic" mold have found themselves particularly vulnerable.

Nordstrom and Neiman Marcus have dropped Lacroix after carrying it last year and Saks did not order any clothes from the fall 2009 collection. Ladies who love Lacroix would be advised to head to Barneys New York which is said to have placed orders for fall 2009 Lacroix merchandise.

The haute couture business is very expensive and Lacroix doesn't have a huge backup revenue stream in the form of licensing deals the way that some other brands do. For a brand like Chanel or Christian Dior, the runway shows and the haute couture line can serve as a sort of ad campaign for the ancillary products with a higher profit such as fragrance and accessories which can be sold to more people.

Christian Lacroix : Le site officiel

Bitches Brew Full Album- Miles Davis

Fontes: AOL, Sheyla Miranda, Revista Bravo, FAAP

Home
Links

Artes Plásticas: A Arte do Brasil Holândes | A Arte do Egito Antigo | Arte Pré-Colombiana | Arte Tibetana | Beatriz Milhazes | Capela Sistina | Caravaggio, Pintor da luz e das trevas da alma | Damien Hirst | Francisco Goya | Frida: A Dor da Vida, A Dor Da Arte | Henri Rosseau | Impression : Soleit Levant | Kandinsky | La persistencia de la memoria | Las Meninas | Luz e Espaço | Manet | Meus Quadros - Leandro Reis | O quadro mais famoso do mundo | O Retrato do Doutor Gachet | Os pastores de Arcadia | Pablo Picasso | Pintura Barroca | Pintura Metafísica | Pinturas de Estradas | Rembrandt | Vieira da Silva | Virgem dos Rochedos, A | William Blake | Henri de Toulouse-Lautrec

Cinema: 1944, O Ano Noir |  A Falta que Nos Move | A Verdade Interna Revelada? | Alain Resnais | Alice no País das Maravilhas | Antonioni | As maiores canções do cinema - 0s 25 melhores filmes de todos os tempos | Bergman | Billy Wilder | Blow Up | Cahiers du Cinema | Cinzas da Guerra | Chinatown | Coincidências do Amor ( The Switch ) | Conversas com Scorsese | Ed Wood, Gênio? | Fellini | Garbo | Grandes atrizes francesas | Grande Musicais | Hachiko | Kiss Me Kate | Kundun | L’Enfer de Clouzo | Liz Taylor: Mito | Max Ophuls | Munich | Neo-Realismo Italiano | No Direction Home - Bob Dylan | O amor de Leon Cakoff | Os magos | Pier Paolo Pasolini | Rediscovering | Shane | Steven Spielberg | Sunset Boulevard | The Gang's All Here | Um estranho no ninho | Untold history of the United States | Awake .

Literatura: Arthur Clarke | Clássicos da Literatura | Dom Quixote | Jose Saramago | Joseph Conrad | Grande Gatsby, O | Grandes Poetas por Will Durant | Literatura Inglesa | Mario, Íntimo e pessoal | Vermelho e o Negros, O | Viagem do Elefante, A | Yeats e Joyce resgatam a identidade da Irlanda | Sobre preciosidades evolutivas | Carlyle e a Revolução

Outras: A Flauta Mágica | Antunes Filho | A Cabra ou Quem é SylviaAs pecas de Oscar Wilde | Bejart | Catedral de Chartres | Contemporaneidade | Daquele Instante em Diante |  Debussy, Schoenberg e Stravinsky | Grandes Arquitetos |  Hair | I´m Not There | Lacroix na ArteMistérios e paradoxos de Chopin, para Freire |  Niemeyer, construindo identidades | Nona Sinfonia | Queremos Miles |  Teatro | The Doors Are Open | Ray Charles Live in France 1961 (2011) | Sonho de uma Noite de Verão | Living in The Material World: George Harrison | Edgard Scandurra Estraçalhante | H.Hancock, Lenda Viva do Jazz | Kung Fu | Pina: Visceras de amor | Lou Reed | Música Sacra | Baden Powell Quartet | Todo Aquele Jazz | Osama Kitajima | Eric Clapton 70 | Jimmy Burns, ícone do blues de Chicago | O Lago dos Cisnes | Don Giovanni | Songs 50´s | Joe Harriott | Kindred Spirits Live | Top 10 Composers