A RCA lança então seu disco Hunky Dory, um álbum mais acústico que conta com a participação de Rick Wakeman nos teclados. O carro-chefe "Changes" consegue uma certa divulgação dentro dos Estados Unidos e no Reino Unido. Sua insatisfação com a carreira porem obriga-o a criar outra metamorfose. Com a assistência do estilista Kansai Yamamoto que cria todas as roupas de seu novo personagem, e através de uma cabeleireira amiga, cria o tom exclusivo de vermelho-cenoura para o seus cachos loiros, Bowie encontra seu novo visual. Busca no peso encontrado no seu álbum "The Man Who Sold The World" o som do seu próximo álbum. Com a saída de Tony Visconti, ocupado demais trabalhando com T. Rex, convida o baixista Trevor Bolder, a quem conheceu através de Ronson, para a vaga.

Mas a alma desta nova criação de Bowie fica por conta das influências de um cruzamento entre o glitter de Marc Bolan com a atitude agressiva e suicida de Iggy Pop, mais uma pitada de Vince Taylor, um dos primeiros roqueiros inglês da era pré-Beatles de 1958.


Hunky Dory 1971