O indomável Baden entortou a atriz alemã Marlene Dietrich e o astro violonista francês Sacha Distel quando ambos vieram ao Rio. "Depois de ouvi-lo parecia que eu tinha umas Torre Eiffel no lugar dos dedos" declarou Distel a Dominique Dreyfus, autora da biografia O Violão Vadio de Baden Powell (Editora 34). Era apenas o prenúncio de uma carreira internacional que levaria o violonista (na contramão dos colegas da bossa que emigraram para os EUA) a uma escalada de sucesso incomparável na Europa – especialmente na França e Alemanha.