Com pouco trabalho, Parker continuou em queda livre. Em 1954, tentou o suicídio duas vezes, razão pela qual acabou se internando no mesmo ano em um hospital psiquiátrico.

Sua última apresentação foi em 5 de março de 1955 em um clube nova-iorquino rebatizado de Birdland em sua homenagem. Morreu uma semana depois, aos 34 anos, e reza a lenda que o médico que o atendeu estava diante de um homem de 60 anos.