Suas apresentações ainda são estudadas como maravilhas da harmonia musical e do improviso, como um novo som revolucionário que capturou o espírito da nova era.

Consultado sobre a história do jazz, o lendário trompetista Miles Davis disse que era possível resumi-la em quatro palavras: "Louis Armstrong, Charlie Parker".

À medida que a música de Parker ganhava cada vez mais adeptos, em parte devido a uma experiência comercial na qual tocou com uma orquestra de cordas, ele mesmo não parecia capaz de controlar sua angústia interior.

Muitas vezes desmaiou no palco e só acordava a tempo de tocar seu solo. Em 1951, a divisão antinarcóticos da polícia de Nova York revogou sua licença para se apresentar, proibindo-o de tocar nos cabarés.