Celia estudou para ser professora de literatura. Deu aulas durante alguns anos. Trabalhava na radio cubana e cantava no clube noturno “ Tropicana”

Em 1950 tornou-se vocalista da lendária banda La Sonora Matancera. E junto com o grupo abandonou a Cuba revolucionaria de Fidel Castro em julho de 1960 para radicar-se nos Estados Unidos. Desde seu exílio, não deixou de ajudar a sua família e tampouco de condenar continuamente o governo cubano, que a impediu de entrar na ilha para assistir ao funeral de sua mãe em 1962. Na condição de ferrenha opositora da situação política de seu país, Celia Cruz acabou sendo adorada pelos exilados e também pelos norte-americanos, especialmente os residentes na Flórida e demais estados do Sul.


Entrada del
Tropicana
1956