Shane

Um filme memorável sob todos os aspectos. O universo do Oeste visto oníricamente idealizado pelos olhos de uma criança.

''Shane'' é talvez um dos faroestes mais populares que Hollywood já produziu - no caso, a Paramount, que realizou este filme para homenagear o aniversário de 80 anos de seu fundador, o húngaro Adolph Zukor (morto em 1976, com 103 anos de idade).

Já se passaram mais de 50 anos desde que Shane irrompeu nas telas para preencher integralmente os sonhos do menino Joey. Rodado em 1951, mas lançado no cinema somente dois anos mais tarde, o western "Os brutos também amam" começa com uma imagem emblemática do gênero: o mocinho errante (Alan Ladd) chega à fazenda em que Joey (Brandon De Wilde) vive com o pai e a mãe. Jean Arthur logo se sente atraída por aquele forasteiro de maneiras finas, que será um pouco o Lancelot de um triângulo amoroso apenas insinuado. O pai (Van Heflin) faz dele o ajudante, que, num momento decisivo da história, recorrerá à força das armas para livrar a família - e o vale inteiro - do mal encarnado por outro pistoleiro, Wilson (Jack Palance). No final, concluída sua missão, Shane partirá de volta para as montanhas, refazendo, em sentido inverso, a trajetória do começo.

Muitos críticos o vêem por isso como uma encarnação do próprio Cristo, vindo à Terra para uma nova crucificação. A interpretação não é de todo descabida, pois George Stevens (1904-1975) era mesmo um cineasta cristão, obcecado pelos temas do pecado original e da redenção como provam a sua versão de "Uma tragédia americana", de Theodore Dreiser - "Um lugar ao sol"(A place in the sun), Oscar de direção de 1951 -, e também "A maior história de todos os tempos", em que fez do bergmaniano Max Von Sydow o seu Jesus Cristo. Não menos polêmica é a classificação de "Os brutos também amam" como o mais clássico dos westerns clássicos. É a tese que defendem críticos como Will Wright, Robert Warshaw e Paulo Perdigão. Todos - Warshaw no seu ensaio "The westerner", ao qual Paulo Perdigão não deve ter sido alheio ao escrever "Western clássico: gênese e estrutura de Shane" - tentam provar que o filme e o personagem contêm a própria essência do gênero.

As passagens por aquele território haviam sido desbravadas pelo lendário Kit Carson nos anos de 1840, caçador e guia de alta fama que conhecia o Oeste como a palma da mão. Tornou-se caminho obrigatório para quem marchasse pela trilha do Oregon, um dos últimos rincões à beira do Oceano Pacífico a serem integrados ao restante da União norte-americana, em 1850. No tempo em que filme se passa, a população branca do território era insignificante, mal ultrapassando vinte mil moradores, mas nos dez anos seguintes saltaria para mais de 60 mil.

Sua geografia diversificada, onde esplêndidas cordilheiras intercalam vales majestosos e despovoados, também atraiu bandoleiros como os célebres foras-da-lei Butch Cassidy e Sundance Kid, líderes da gangue do Hole-in-the-Wall, a quadrilha do buraco, dedicada a assaltar os trens da Union Pacific. Igualmente foi cenário de uma terrível batalha racial entre os trabalhadores chineses, contratados pelos donos das minas de carvão como fura-greves, e os mineiros do sindicato Knights of Labor, os cavaleiros do trabalho. Guerra que culminou no trágico incidente de Rock Springs, de 1885, ocasião em que os coolies orientais foram massacrados pelos brancos.

Entre os diversos conflitos que se intercruzam no filme de George Stevens (como duelo final entre Shane e Wilson, paradigma do mal, o pistoleiro contratado por Ryker para assustar os colonos e pô-los a correr), está subjacente o que havia separado os americanos durante a Guerra da Secessão (1861-65): o embate da Propriedade contra o Trabalho.

Shane, na verdade um ex-pistoleiro que tentava mudar de vida, é o cavaleiro andante que desequilibra a situação. É a versão faroeste do mito do herói medieval que coloca-se ao lado dos fracos e dos oprimidos. No filme de Stevens ele surge como um campeão da ordem democrática a ser instalada nos Estados Unidos no pós-guerra civil, favorável aos posseiros e colonos que vinham tentar a vida na América.

Impressiona que um roteiro assim engajado (é de A.B.Guthrie baseado na novela de Jack Schaefer, "Shane", 1949) como foi "Shane" tenha sido rodado em Hollywood no começo dos anos 50, em plena Era Macarthista, quando facilmente poderia ter sido denunciado ao comitê de atividades antiamericanas como propaganda subliminar comunista. Independentemente das pancadarias, das fantásticas lutas a soco e a tiros, a conclamação para que os mais fracos se unam e resistam ao despotismo dos mais fortes é a marca ideológica do filme. Shane, porém, como determina a mitologia do andante destemido, tem como destino reparar as injurias do mundo e não pode fixar-se em lugar nenhum. No final ele é acompanhado pelo olhar do garoto Joey quando galopa desaparecendo no rumo das montanhas distantes do Wyoming, em busca de outras aventuras ou da morte.

Título Original: Shane
Tempo de Duração: 118 minutos
Ano de Lançamento (EUA): 1953
Estúdio: Paramount Pictures
Distribuição: Paramount Pictures
Direção: George Stevens
Roteiro: A.B. Guthrie Jr., baseado em estória de Jack Schaefer
Produção: George Stevens
Música: Victor Young
Fotografia: Loyal Griggs
Direção de Arte: Hal Pereira e Walter H. Tyler
Figurino: Edith Head
Edição: William Hornbeck e Tom McAdoo

Elenco

Alan Ladd, Jean Arthur, Van Heflin, Brandon De Wilde, Jack Palance, Ben Johnson, Edgar Buchanan, Emile Meyer, Elisha Cook Jr., Douglas Spencer, John Dierkes, Ellen Corby, Paul McVey, John Miller, Edith Evanson, Leonard Strong, Ray Spiker, Janice Carroll, Martin Mason, Helen Brown, Nancy Kulp, Ewing Miles Brown, Bill Cartledge, Chester W. Hannan, George J. Lewis, Rex Moore, Howard Negley, Charles Quirk, Steve Raines, Jack Sterling, Beverly Washburn, Henry Wills

Críticas

Hélio Teixeira Orgolini Jr. : "É um faroeste de ritmo lento e grande construção psicológica."

Alexandre Koball : “Shane parece ser o típico mocinho de faroestes. É um pouco mais misterioso que a maioria, na realidade, oque o torna mais humano (não é o herói invencível comumente encontrado no gênero). Prefere não se exibir, apenas quando os valentões realmente o obrigam a isso. O filme tem uma fotografia linda e um clima estonteante.”

Antônio Ronaldo Jatene : "Filme extraordinário, que transcende a mágica do próprio cinema."

Jurandir B. Lima : "É preciso que se assista para que se comprove o porquê deste filme ser classificado o mais perfeito filme de western já feito. "

José Afonso Zerbini : "Talvez um dos mais belos já feitos. Sem dúvida é o mais perfeito dos westerns."

Marcos Petrucelli : “Baseado no romance de Jack Schaefer, com roteiro de A.B. Guthrie Jr. e Jack Sher, trata-se de um faroeste que desenvolve uma narrativa psicológica, dramática, mas cujo subtexto deixa evidente o sentido maniqueísta da obra. É sem dúvida um clássico, realizado de forma brilhante por Stevens, que está entre os melhores diretores do gênero. ”

José Cláudio C. Carvalho : "Simboliza a história americana."

Nílson Pavan : "O melhor western que eu já assisti, emocionante. Para mim a despedida final entre o pistoleiro e o garoto é a cena mais pungente da história do faroeste."

J. Bosco : "Uma revolução no gênero faroeste."

Livro publicado sobre o filme : “Shane” – Paulo Perdigão – Editora Rocco
“Com a autoridade de quem entrevistou o cineasta George Stevens, visitou os sets de filmagem e teve acesso aos arquivos que registraram os bastidores da produção de 1953, Paulo Perdigão realiza em Shane um aprofundado estudo dos elementos que constituem a mitologia do western. O olhar apurado do experiente crítico de cinema e programador durante décadas de filmes da Rede Globo investiga com densidade os mecanismos de linguagem do cinema narrativo clássico que teve no diretor de Um lugar ao sol e Assim caminha a humanidade um de seus mais requintados artífices. Por considerar inadequado, Perdigão rejeita o título em português do filme, Os brutos também amam.”

Fontes : “Educação e Arte” / Voltaire Schilling; "Shane, o redentor do Oeste"/Luiz Carlos Merten; UOL; Cineclick; CNN; Cinenews - Por dentro da telona; www.terra.com.br

Home
Links

Artes Plásticas: A Arte do Brasil Holândes | A Arte do Egito Antigo | Arte Pré-Colombiana | Arte Tibetana | Beatriz Milhazes | Capela Sistina | Caravaggio, Pintor da luz e das trevas da alma | Damien Hirst | Francisco Goya | Frida: A Dor da Vida, A Dor Da Arte | Henri Rosseau | Impression : Soleit Levant | Kandinsky | La persistencia de la memoria | Las Meninas | Luz e Espaço | Manet | Meus Quadros - Leandro Reis | O quadro mais famoso do mundo | O Retrato do Doutor Gachet | Os pastores de Arcadia | Pablo Picasso | Pintura Barroca | Pintura Metafísica | Pinturas de Estradas | Rembrandt | Vieira da Silva | Virgem dos Rochedos, A | William Blake | Henri de Toulouse-Lautrec

Cinema: 1944, O Ano Noir |  A Falta que Nos Move | A Verdade Interna Revelada? | Alain Resnais | Alice no País das Maravilhas | Antonioni | As maiores canções do cinema - 0s 25 melhores filmes de todos os tempos | Bergman | Billy Wilder | Blow Up | Cahiers du Cinema | Cinzas da Guerra | Chinatown | Coincidências do Amor ( The Switch ) | Conversas com Scorsese | Ed Wood, Gênio? | Fellini | Garbo | Grandes atrizes francesas | Grande Musicais | Hachiko | Kiss Me Kate | Kundun | L’Enfer de Clouzo | Liz Taylor: Mito | Max Ophuls | Munich | Neo-Realismo Italiano | No Direction Home - Bob Dylan | O amor de Leon Cakoff | Os magos | Pier Paolo Pasolini | Rediscovering | Shane | Steven Spielberg | Sunset Boulevard | The Gang's All Here | Um estranho no ninho | Untold history of the United States | Awake .

Literatura: Arthur Clarke | Clássicos da Literatura | Dom Quixote | Jose Saramago | Joseph Conrad | Grande Gatsby, O | Grandes Poetas por Will Durant | Literatura Inglesa | Mario, Íntimo e pessoal | Vermelho e o Negros, O | Viagem do Elefante, A | Yeats e Joyce resgatam a identidade da Irlanda | Sobre preciosidades evolutivas | Carlyle e a Revolução

Outras: A Flauta Mágica | Antunes Filho | A Cabra ou Quem é SylviaAs pecas de Oscar Wilde | Bejart | Catedral de Chartres | Contemporaneidade | Daquele Instante em Diante |  Debussy, Schoenberg e Stravinsky | Grandes Arquitetos |  Hair | I´m Not There | Lacroix na ArteMistérios e paradoxos de Chopin, para Freire |  Niemeyer, construindo identidades | Nona Sinfonia | Queremos Miles |  Teatro | The Doors Are Open | Ray Charles Live in France 1961 (2011) | Sonho de uma Noite de Verão | Living in The Material World: George Harrison | Edgard Scandurra Estraçalhante | H.Hancock, Lenda Viva do Jazz | Kung Fu | Pina: Visceras de amor | Lou Reed | Música Sacra | Baden Powell Quartet | Todo Aquele Jazz | Osama Kitajima | Eric Clapton 70 | Jimmy Burns, ícone do blues de Chicago | O Lago dos Cisnes | Don Giovanni | Songs 50´s | Joe Harriott | Kindred Spirits Live | Top 10 Composers