Catedral de Chartres

Na região do Vale do Loire se encontra a maior Catedral gótica da Europa, uma das maiores expressões da arte mundial: a Catedral de Chartres, cuja construção se iniciou no séc. XII.

Em 24 de Outubro de 1260 a catedral foi consagrada na presença do rei Luís IX. O rei Henrique IV foi o único monarca francês a ser sagrado neste templo.


Notre-Dame de Chartres
Clique na imagem para amplia-la

No começo do século XII, a arquitetura predominante ainda é a românica, mas já começaram a aparecer as primeiras mudanças que conduziram a uma revolução profunda na arte de projetar e construir grandes edifícios.


Notre-Dame de Chartres
Clique na imagem para amplia-la


Notre-Dame de Chartres
Clique na imagem para amplia-la

A primeira diferença que notamos entre a igreja gótica e a românica é a fachada. Enquanto, de modo geral, a igreja românica apresenta um único portal, a igreja gótica tem três portais que dão acesso à três naves do interior da igreja: a nave central e as duas naves laterais.


Notre-Dame de Chartres
Clique na imagem para amplia-la

A arquitetura expressa a grandiosidade, a crença na existência de um Deus que vive num plano superior; tudo se volta para o alto, projetando-se na direção do céu, como se vê nas pontas agulhadas das torres de algumas igrejas góticas.


Notre-Dame de Chartres
Clique na imagem para amplia-la

O edifício original construído por Fulbert incendiou-se em 1194 e imediatamente se acometeram as obras de reconstrução, que se prolongariam durante décadas. O acrescento mais importante é a torre noroeste, dita Clocher Neuf, concluída no ano 1513 para equilibrar a composição imposta pela primeira torre (que se erguia desde 1160).


Notre-Dame de Chartres
Clique na imagem para amplia-la

A catedral tem 2.500 m² de vidros coloridos em 176 janelas maravilhosas, entre elas três rosáceas mundialmente famosas. A cor profunda e intensa conhecida como "azul Chartres" está imortalizada nos vidros da catedral. Algumas janelas ilustram histórias da Bíblia: figuras que já forneceram uma forma silenciosa de comunicar os conceitos cristãos para os peregrinos analfabetos que iam para a catedral nos tempos medievais.

A fachada ocidental, chamada Pórtico Real, é especialmente importante graças a uma série de esculturas de meados do século XII; o pórtico principal contém um magnífico relevo de Jesus Cristo glorificado;


Notre-Dame de Chartres
Clique na imagem para amplia-la

a do transepto (ou nave transversal) meridional (c. 1224-1250) organiza-se em torno a imagens do Novo Testamento, que narram o Juízo Final; enquanto que o pórtico oposto, situado no lado norte, está dedicado ao Antigo Testamento e ao advento de Cristo e se destaca pela impressionante qualidade do grupo escultórico dedicado à Criação.

Conforme o sol viaja pelo céu do amanhecer ao crepúsculo, as famosas janelas de vidros coloridos da Catedral de Chartres colorem e exibem imagens como em um caleidoscópio. Raios de luz colorida se espalham pelo grandioso lugar, preenchendo-o com a glória de Deus.

Os primeiros peregrinos viram essa obra magistral da arquitetura gótica do século XIII assim como os visitantes modernos o fazem. Em direção aos céus da cidade de Chartres, seus pináculos perfuram o céu azul. Chamada de Catedral de Notre-Dame, ela era local de peregrinação porque abriga o que os fiéis acreditam ser o véu que a Virgem Maria vestia durante o nascimento de Jesus. Em 1194, a relíquia milagrosamente sobreviveu a um incêndio que destruiu a maioria das catedrais romanescas do lugar.

Em apenas 30 anos, os elementos sobreviventes foram restaurados com a nova catedral gótica. Imenso, com 130 m de comprimento, o prédio tem uma nave de 17m, a mais larga da França. Uma das torres de sino assimétricas é o campanário romanesco mais alto do mundo (105 m) e a outra torre é um campanário gótico ainda mais sublime.


Notre-Dame de Chartres
Clique na imagem para amplia-la

No chão da nave há um labirinto de pedra que, embora tenha apenas 13 m de comprimento, se fosse desenrolado, teria um caminho cheio de curvas de 261 m. Há tempos, o labirinto serve para os fiéis como uma peregrinação simbólica à Terra Sagrada e como uma caminhada mística de meditação.

O labririnto, conhecido por “Caminho de Jerusalém” possui uma singularidade que reside no reflexo da rosácea do vitral em seu centro. A especificidade do labirinto não se resume em sua forma, nem em sua função religiosa ou militar. Sua localização não aleatória, é especial.


Notre-Dame de Chartres
Clique na imagem para amplia-la

Durante as duas guerras mundiais, os vitrais foram desmontados peça por peça e guardados em lugar seguro.


Notre-Dame de Chartres
Clique na imagem para amplia-la

A sua preciosa relíquia, "Um véu venerado como tendo sido portado pela Virgem Maria", proveniente da Palestina e que esteve guardado no tesouro imperial de Constantinopla, foi oferecido pela imperatriz Frêne à Catedral de Chartres em 876 e, desde então, ele é mantido no relicário, sob a luz do magnífico vitral.


Notre-Dame de Chartres
Clique na imagem para amplia-la

Conforme o sol viaja pelo céu do amanhecer ao crepúsculo, as famosas janelas de vidros coloridos da Catedral de Chartres colorem e exibem imagens como em um caleidoscópio. Raios de luz colorida se espalham pelo grandioso lugar, preenchendo-o.


Notre-Dame de Chartres
Clique na imagem para amplia-la

Fontes:http://www.cwb.matrix.com.br/sensus/Chartres.htm; www.historiadaarte.com.br©; Jerry Camarillo Dunn Jr; http://viagem.hsw.uol.com.br/catedral-de-chartres.htm

Home
Links

Artes Plásticas: A Arte do Brasil Holândes | A Arte do Egito Antigo | Arte Pré-Colombiana | Arte Tibetana | Beatriz Milhazes | Capela Sistina | Caravaggio, Pintor da luz e das trevas da alma | Damien Hirst | Francisco Goya | Frida: A Dor da Vida, A Dor Da Arte | Henri Rosseau | Impression : Soleit Levant | Kandinsky | La persistencia de la memoria | Las Meninas | Luz e Espaço | Manet | Meus Quadros - Leandro Reis | O quadro mais famoso do mundo | O Retrato do Doutor Gachet | Os pastores de Arcadia | Pablo Picasso | Pintura Barroca | Pintura Metafísica | Pinturas de Estradas | Rembrandt | Vieira da Silva | Virgem dos Rochedos, A | William Blake | Henri de Toulouse-Lautrec

Cinema: 1944, O Ano Noir |  A Falta que Nos Move | A Verdade Interna Revelada? | Alain Resnais | Alice no País das Maravilhas | Antonioni | As maiores canções do cinema - 0s 25 melhores filmes de todos os tempos | Bergman | Billy Wilder | Blow Up | Cahiers du Cinema | Cinzas da Guerra | Chinatown | Coincidências do Amor ( The Switch ) | Conversas com Scorsese | Ed Wood, Gênio? | Fellini | Garbo | Grandes atrizes francesas | Grande Musicais | Hachiko | Kiss Me Kate | Kundun | L’Enfer de Clouzo | Liz Taylor: Mito | Max Ophuls | Munich | Neo-Realismo Italiano | No Direction Home - Bob Dylan | O amor de Leon Cakoff | Os magos | Pier Paolo Pasolini | Rediscovering | Shane | Steven Spielberg | Sunset Boulevard | The Gang's All Here | Um estranho no ninho | Untold history of the United States | Awake .

Literatura: Arthur Clarke | Clássicos da Literatura | Dom Quixote | Jose Saramago | Joseph Conrad | Grande Gatsby, O | Grandes Poetas por Will Durant | Literatura Inglesa | Mario, Íntimo e pessoal | Vermelho e o Negros, O | Viagem do Elefante, A | Yeats e Joyce resgatam a identidade da Irlanda | Sobre preciosidades evolutivas | Carlyle e a Revolução

Outras: A Flauta Mágica | Antunes Filho | A Cabra ou Quem é SylviaAs pecas de Oscar Wilde | Bejart | Catedral de Chartres | Contemporaneidade | Daquele Instante em Diante |  Debussy, Schoenberg e Stravinsky | Grandes Arquitetos |  Hair | I´m Not There | Lacroix na ArteMistérios e paradoxos de Chopin, para Freire |  Niemeyer, construindo identidades | Nona Sinfonia | Queremos Miles |  Teatro | The Doors Are Open | Ray Charles Live in France 1961 (2011) | Sonho de uma Noite de Verão | Living in The Material World: George Harrison | Edgard Scandurra Estraçalhante | H.Hancock, Lenda Viva do Jazz | Kung Fu | Pina: Visceras de amor | Lou Reed | Música Sacra | Baden Powell Quartet | Todo Aquele Jazz | Osama Kitajima | Eric Clapton 70 | Jimmy Burns, ícone do blues de Chicago | O Lago dos Cisnes | Don Giovanni | Songs 50´s | Joe Harriott | Kindred Spirits Live | Top 10 Composers